Campeonato Mineiro 1986

Equipe Bicampeã de 1986: em pé: João Leite, Nelinho, Vandinho, Luizinho, Batista e João Luiz. Agachados: Sérgio Araújo, Everton, Nunes, Zenon, Renato Morungaba. Foto: "O Estado de Minas"


Em 86, o Galo não deu chance para ninguém. Conquistou o bicampeonato mineiro com uma rodade de antecipação e, entre muitas proezas, promoveu a ressurreição do centroavante Nunes. Nunes foi convertido em o terceiro maior artilheiro da história de todos os campeonatos mineiros ao assinalar 26 gols em 1986. À sua frente, permanecem apenas Mário de Castro (que em 1927 fez 27 gols) e Dario(30 gols em 1969), ambos também do Atlético.


Nunes, ex-carrasco do Galo nos tempos de Flamengo teve no Galo seu último bom momento no Futebol


Reforçado por ex-craques de Seleção, como Renato, Zenon e Nunes, o Galo formou uma equipe respeitável. Seu elenco já contava com outros selecionáveis - Nelinho, Luizinho, Paulo Isidoro, Elzo e Edivaldo- e não foi difícil levantar seu oitavo título dos últimos dez anos. Na verdade, o clube seria nona campeão se a decisão do certame de 1984 ainda não estivesse mofando nos tribunais, distante dos gramados. O Galo espera um pronunciamento favorável do juiz da 17 Vara cícel de BH. Ele anulou a decisão da Federação Mineira de Futebol, que havia concedido a vitóroia ao Cruzeiro.

Vandinho Uberaba, Sérgio Araújo e Juninho carregam a taça de Campeão 86!

 

Nem mesmo a saída de Elzo (convocado por Telê Santana para a copa do mundo de 86 no México) abalou a equipe. O técnico Ílton Cahves improvisou Paulo Isidorono meio-campo. Zenon se transformou numa espécie de maestro do time e o ponta Sérgio Araújo explodiu em pique e velocidade.
Assim, em 15 jogos do primeiro turno, o Atlético Ganhou 11 e empatou quatro. No returno, vencieu 13 e perdeu dois. Teve o ataque maiso positivo. Também pudera: apenas Nunes(26) e Everton (18) marcaram 44 gols. E o goleiro João Leite chegou a ficar 1090 minutos sem tomar gol. o Galo, em fim foi absoluto.


O excelente Everton abraça João Luiz na comemoração de um dos quase 70 gols do ataque do Atlético 86.


Edvaldo participou parte da campanha de 1986 porém, foi convocado para defender o Brasil na copa do Mundo do México, quando substituiu Éder supenso após uma agreção ao zagueiro peruano em um jogo amistos da Seleção.

Em 1986, Nelinho ganhou seu último título como jogador de futebol. Depois de tantos anos, o carioca radicado em Minas findava sua carreira com mais de 10 títulos mineiros, 2 participações em copas do Mundo e com uma vaga na Assembléia Legislativa de MG. Em 86 candidatou-se e ganhou uma vaga de Deputado estadual pelo PDT. (foto retirada de um santinho de Nelinho na campanha de 1986)

Zenon, vulgo 'catarina' referência ao estado natal onde esse consagrado e refinado jogador nasceu. Zenon foi campeão brasileiro em 1978 com o Gurani de Campinas, jogou vários anos no Corinthias e terminou sua consagrada carreira no Galo. No Atlético jogou entre 1986 e 1987.

Esse foi o timaço do Galo que ganhou o campeonato Mineiro de 1986 e mais tarde disputou o Campeonato Brasileiro de 1986 ficando mais de 18 jogos invicto e terminando em terceiro lugar. Foto retirada no jogo entre Atético 2X1 Corinthians no Pacaembu. Naquele dia, o Estádio do Pacaembu recebeu uma de suas maiores lotações 41 mil pessoas viram o Galo vencer o Corinthians com um gol de Nunes aos 42 min do segundo tempo. Nesse mesmo jogo, o goleiro reserva Pereira ganhou definitivamente a confiança da Massa e um lugar no time após fazer defesas fantásticas segurando até mesmo um penalti. Em pé: Nelinho, Elzo, João Pedro, Luizinho, Jorge Valença e Pereira. Agachados: Sergio Araújo, Everton, Nunes Zenon e Renato Morungaba.

 

Resumo 86
Jogos disputados: 30 - Vitórias: 21 - Empates: 7 - Derrotas: 2 - Gos pró: 69 - Gols contra: 13 - Saldo: 56.
Artilheiros: Nunes 26, Éverton 18, Sérgio Araújo 8, Edvaldo, Renato e Nelinho 4 cada um, João Luis 2, Zenon, Luizinho e Paulo Isidoro 1 cada.

 

Fonte: Revista Placar número 866. Jornal O Estado de Minas.