Os Campeões do Gelo

 

A delegação atleticana no inverno parisiense de 1950. 

    Em 1950, o Galo realizou sua maior façanha até então.  Atravessou o Atlântico para ser o primeiro time brasileiro a jogar no gelado continente Europeu. A viagem do Atlético foi acertada com a vinda do jornalista alemão Eld Kalteneker que fez o convite para a excursão. Até então, somente o Paulistano, clube de São Paulo, já extinto, estivera no Velho Continente, ainda na época do amadorismo no futebol brasileiro.

Com o técnico Ricardo Diez no comando da equipe, a diretoria manteve a base vitoriosa dos Campeonatos Mineiros de 1949 e 1950, com jogadores de destaque como Kafunga, Zé do Monte, Afonso, Lucas, Lauro, Vavá, Alvinho, Haroldo entre outros. A eles se incorporaram Zezinho, contratado ao América, e Vicente Perez, Barbatana, Vaguinho e Murilinho, todos oriundos do Metaluzina. Na delegação, ninguém ainda havia visto neve e os casacos de lã levados pelos brasileiros, suficientes para um inverno tropical, eram inadequados para o rigoroso inverno Europeu.

Foto Tirada durante um treinamento da histórica excursão à Europa

 

A tradicional troca de flâmulas antes do jogo Atlético X Bayer de Munique 

    O Galo sabia que teria adversários difíceis, da Alemanha, Áustria, Luxemburgo, Bélgica e Fança. Na fria Europa do pós Guerra, os atleticanos encontraram os estádios lotados, pois havia por parte dos europeus muita curiosidade em torno dos brasileiros -vice campeões mundiais-, que, segundo notícias recentes praticavam um futebol revolucionário.  E em campo o GALO confirmou as expectativas. No primeiro jogo, dia 1 de novembro, o Atlético detonou o Bayer de Munique, a sensação do campeonato Alemão por 4X1. No dia 4, uma outra goleada mineira, 4X1 em cima do Hamburg Sportverein, na cidade de Hamburgo. No dia seguinte a delegação viajou para Bremen para jogar no mesmo dia contra o Werner Bremen. Cansado, a equipe não rendeu o esperado e perdeu para os Alemães por 1X3.  Disse uma vez o saudoso goleiro Kafunga.

"Chegamos e fomos direto para o estádio! No jogo, levei um gol lindo, de sem-pulo do centro-avante deles. Quando fui cumprimenta-lo, vi que ele tinha um olho de vidro. O pessoal me gozou por ter levado um gol de um jogador que só tinha um olho ",  

    Descansado, o Atlético voltou a campo dia 12 de novembro para jogar e vencer o Shalke 04,  líder do campeonato Alemão daquela temporada, pelo placar de 3X1 na cidade de GeselKirchen. No dia 16 de novembro jogou em Viena(Áustria) e perdeu para o Rapid Viena por 1X3. Venceu o Sarbrucken por 2X0 e já na Belgica, humilhou o campeão Belga por 2X0 no dia 22 de novembro. Em Braunshweig(Cidade que abrigou um "famoso campo de concentração durante a II Guerra) empatou com a equipe local, Eitracht  por 3X3. Em Luxemburgo, o Galo novamente empatou  em 3X3 com a seleção daquele pequeno e rico principado.

O Presidente da Federação Alemã entrega ao Chefe da Embaixada Brasileira e ao Capitão do Atlético,  Zé do Monte, o Troféu de Campeão de inverno (Para nós, o Campeão do Gelo)

 

    Para completar a conquista da Europa, o GALO foi a Paris enfrentar seu mais habilidoso adversário, o Stade de France(que mais tarde se fundiu com o Racing Paris). A temperatura era de 6 graus negativos e os mineiros entrarem em campo vestindo agasalhos de lã, luvas e gorros.  Nos primeiros minutos, o público que superlotava o Parc de Princes se assustou quando o jogador Barbatana(que mais tarde se tornou técnico do Galo e dirigiu o Atlético no campeonato nacional de 1977) caiu no gramado coberto por neve, sentindo-se mal; sua circulação quase parou e o médico do Atlético o Doutor Adbo Arges teve que coloca-lo em uma banheira quente.  Depois desse fato, o precavido  médico atleticano colocou uma bolsa de água quente para que o goleiro Kafunga não perdesse os movimentos dos dedos.

Jogadores do Atlético elegantemente vestidos diante da Torre Eiffel

    Nessa situação dramática, os atleticanos não meteram medo na torcida francesa que esperava uma vitória fácil. Mas essa situação só durou até aos 30 minutos do primeiro tempo, quando na cobrança de falta o jogador Nívio marcou Galo 1X0. No segundo tempo, sob o comando de Zé do Monte-que parecia não sentir os efeitos do frio- o Galo colocou os franceses na roda. E aos 23 minutos Alvinho driblou o beque francês e tocou para Nívio marcar Galo 2X0. Os franceses ainda descontaram no finalzinho da partida. Final Atlético 2X1 Stade Fraçai.

    Com o apito final, os mineiros comemoraram a vitória com extrema euforia, afinal em 10 jogos em gramados europeus o Galo venceu 6, empatou 2 e perdeu apenas 2. Uma campanha indiscuvelmente vitoriosa que deu ao Clube Atlético Mineiro do direito de se aclamar como o CAMPEÃO DO GELO!

 

 

Na chegada a torcida atleticana recepcionou os jogadores com uma enorme festa.

 

Munich 1860 3 x 4 Atlético, em Munique ( Alemanha )
Hamburger Sportverein 0 x 4 Atlético, em Hamburgo ( Alemanha )
Werder Bremen 3 x 1 Atlético, em Bremen ( Alemanha )
Schalke04 1 x 3 Atlético, em Helsenkirshen ( Alemanha )
Rapid Wien 3 x 0 Atlético, em Viena ( Áustria )
Sarrebruck 0 x 2 Atlético, em Reno ( Áustria )
Anderlecht 1 x 2 Atlético, em Bruxelas ( Bélgica )
Eintracht Brauschweig 3 x 3 Atlético, em Brauschweig ( Alemanha )
Seleção de Luxemburgo 3 x 3 Atlético, em Luxemburgo
Stade Français 1 x 2 Atlético, em Paris ( França )

Time: Cafunga e Mão de Onça (goleiros); Afonso, Oswaldo, Juca, Moreno, Vicente, Zé do Monte, Haroldo, Barbatana, Vicente Perez e Márcio (defesa/meio-campo); Lucas, Lauro, Cezinho, Alvinho, Vavá, Nívio, Vaguinho e Murilinho (atacantes) – Técnico: Ricardo Dias.