Campeonato Mineiro 1931

O Último jogo do Trio Maldito

Em pé: Marinetti(técnico),Armando, Maurílio, Mário Gomes, Orlando Vaz, Mário de Castro e Nariz. Agachados: Dalmy, Cunha, Brant, Chaffyr e Cordeiro. Foto: Joanésio Moreira.


A Revolução de 1930, que arrancou os mineiros de seu silêncio num grito que levou Getúlio Vargas pela primeira vez ao poder - em menos de uma semana os rebeldes ocuparam Belo Horizonte - fez o Atlético, pela única vez em sua história, afastar-se do Campeonato Estadual. Quando a situação política foi contornada, o Atlético voltou à disputa, sendo campeão em 1931. 

O Ano de 1931 não foi muito bom para o Atlético. Mesmo sendo Campeão Mineiro o Galo sofreu duas grandes baixas. A primeira foi o presidente, Leandro Castilho de Moura Costa que faleceu subitamente com um infarto aos 43 anos. Leandro Castilho marcou época porque foi na sua gestão que o Atlético inaugurou a iluminação do Estádio Presidente Antônio Carlos em 1930. Aliás, foi no Estádio do Galo que o fundador da FIFA, o francês Jules Rimet assistiu uma partida de futebol 'a noite. Isso aconteceu no dia 17 de agosto de 1930 no empate de 1 a 1 com o Fluminense RJ. Jules Rimet voltava do Uruguay depois da realização da primeria Copa do Mundo de Futebol e resolveu visitar o Brasil por onde ficou vários dias conhecendo a organização do nosso futebol. A outra baixa foi a despedida de Mário de Castro dos campos de futebol de Belo Horizonte.

Em 1931, Atlético e Vila Nova chegaram a decisão do campeonato Mineiro. A partida final foi disputada em Nova Lima em 27 de setembro de 1931.  O Leão do Bonfim começou melhor e ao final do primeiro tempo o placar mostrava Vila 3X0. Com a eminente vitória, a torcida vilanovense cometeu um grave erro. Mexeu com os brios de Mário de Castro. Isso porque, prá variar, Mário de Castro estava de ressaca e andava em campo. Insultado pela torcida do Vila, Mário de Castro foi para o intervalo, limpou o estômago(isso mesmo chamou o Juca!) e voltou para a segunda etapa. Resultado: o Galo venceu por 4X3, todos os gols de Mário de Castro. E ainda teve mais um gol, que foi anulado injustamente pelo juiz. Final, Galo Campeão!


 Mas aí, o Clima fechou no estadinho do Vila, com o fim do jogo a torcida do Vila revoltada pela humilhante derrota invadiu o campo e armada de paus e pedras partiu para cima do time do Atlético. A delegação atleticana teve que fugir correndo da cidade com a torcida do Leão atrás. Até  tiros foram dados e um torcedor foi morto! Para Mário de Castro esse fato foi um aviso que já era hora de párar e parou. Este acontecimento marcaria o fim de um período mágico na história do futebol mineiro, em que três jogadores combinados, Mário de Castro, Jairo e Said, faziam coisas inacreditáveis com a bola nos pés. Porém a torcida atleticana ainda contaria com a classe de Jairo e Said por mais alguns anos. A magia do Trio Maldito seria desfeita com a decisão de Mário de Castro de abandonar o futebol em 1931 para dedicar-se à Medicina.

Mário de Castro ainda jogou mais dois jogos com a camisa do Galo. Um foi contra o Palestra(Cruzeiro) em 1 de novembro de 1931. Com pouco interesse pela bola, Mário de Castro fez um gol. O Segundo jogo foi apenas 9 anos depois, isso porque quando formou-se em Medicina em 1934, Mário de Castro voltou a sua terra natal, a cidade de Formiga para clinicar. Vinha a BH só para visistar os amigos e em uma dessas visitas em 1940, o já Dr Márioo, foi ao campo de Lurdes. Chegando-lá foi praticamente obrigado a vestir o uniforme e colocar umas chuteiras e participou de um treino ao lado do Diabo Loiro, Guará. Em um amistoso alguns dias mais tarde enfrentou o Madureira do Rio de Janeiro quando o Galo venceu por 1X0 gol de Mário de Castro. Isso aconteceu no dia 26 de maio de 1940. Foi a despedida o ídolo.